“Enquanto património cultural imaterial, a gastronomia é uma dos elementos mais importantes da autenticidade local.
A Chanfana é um dos mais nobres pratos da região centro, onde se insere o concelho de Cantanhede. Ocupa um lugar de destaque no receituário da cozinha tradicional pelo sabor e aroma de excelência. Já a Lampantana, atualmente, só é conhecida pelos mais antigos.
Estando numa região vitivinícola, os pratos vão ser acompanhados por vinhos de excelência”. As palavras são da comissão organizadora da 1.ª Mostra Gastronómica da Chanfana e da Lampantana, constituída pelos órgãos sociais da Associação Orfeão Vox Caeli de Cantanhede.
O certame que se realizará nos próximos dias 23 e 24 de março, no largo da antiga estação de comboios de Cantanhede, tem previsto um programa gastronómico e cultural diversificado.
O cardápio deste festival gastronómico contempla ainda a sopa à camponesa, a chouriça vinho d’alhos, morcelas e farinheiras, batatas fardadas, broa de milho e sobremesas típicas como a aletria, as papas de abóbora e as papas de carolo.
Com abertura, pelas 19h, de sábado, dia 23, a animação contempla os Caretos da Lagoa de Mira, Iara Marques e o Grupo Reviver.
No domingo, dia 24, as portas são abertas pelas 12h, prolongando-se a festa com os Gaiteiros Copofonia, o Grupo de Música Tradicional Cantares da Vila de Pereira e o Grupo de Música e Cantares A Alegria do Zamjujeiro, do concelho de Montemor-o-Velho.
Um dos pontos altos do certame será a realização de uma feira à moda antiga no recinto da festa, durante a tarde de domingo.
A organização que se estreia neste âmbito, afirma “estarem reunidas as condições para a 1.ª Mostra Gastronómica da Chanfana e da Lampantana, em Cantanhede, se apresentar de modo tradicional com uma qualidade assinalável, já que todos os pratos serão confecionados de forma artesanal pelos associados da coletividade, e, portanto, ser um sucesso”, não deixando de referir “os parceiros de lugar cimeiro para a concretização do evento – o Município de Cantanhede, a União das Freguesias de Cantanhede e Pocariça e a Fundação Inatel”. 

 

Ler mais na edição impressa ou digital