Quem chega a Oliveira do Bairro pela entrada poente, decerto já reparou que a mesma ganhou vida e conta uma história que retrata a dinâmica industrial e agrícola característica do Município.

A Arte Urbana chegou a Oliveira do Bairro em finais de fevereiro, precisamente pela entrada poente da sede do concelho, na Rua da Raposeira.

De acordo com o Coletivo Nora, dupla de artistas convidada pelo Município de Oliveira do Bairro para este trabalho, o objetivo foi o de “trazer para o presente histórias do passado”, retratando a “arquitetura industrial das antigas fábricas cerâmicas, construídas em tijolo maciço de barro vermelho, e as suas típicas chaminés, que fazem parte do imaginário dos céus da cidade desde o século passado, bem como os trabalhadores dos mais diferentes setores, desde a produção de arroz à metalomecânica”.

Para Lília Ana Águas, vereadora com os pelouros da Cultura e do Turismo, trata-se da “primeira intervenção de Arte Urbana no concelho, que foi pensada como uma homenagem às nossas gentes e também às nossas tradições, quer industriais, quer agrícolas, que vão da cerâmica e metalomecânica aos nossos arrozais e oliveiras”.

A autarca acrescentou que “a Arte Urbana é uma aposta do Município no âmbito da sua estratégia para o Turismo e Cultura, apostando em artistas da região para requalificar espaços e equipamentos, ao nível da sua estética e enquadramento urbano, não só da cidade de Oliveira do Bairro, mas também das restantes vilas do concelho”.