Júlia Gradeço é, desde a penúltima quinta-feira, presidente do Agrupamento de Escolas de Oliveira do Bairro (AEOB).

A presidente da AEOB, eleita por maioria absoluta, tomou posse, na última quinta-feira, no Centro Cultural Prof. Élio Martins. Na ocasião, tomaram ainda posse o sub-director (Acácio Albuquerque) e os adjuntos (José Cruz, Hélder Francisco da Rosa, Ercília Santos Viegas). A presidente pretende ter uma escola de qualidade e de excelência, pelo que garantiu que vai cumprir na íntegra o projecto educativo.

“Temos um guia que é um plano de acção e que será o plano de acção do Agrupamento”, acrescentou. Contudo, para que o mesmo se concretize, Júlia Gradeço defendeu ser “necessário esforço, colaboração e a compreensão de todos”, referindo-se aos alunos, família, encarregados de educação, docentes, auxiliares e autarquia.

“Todos sabem que da minha parte a retribuição é igual. Os colegas das outras escolas têm sido uma equipa para mim”, referiu Júlia Gradeço, acrescentando que “para se cumprir o projecto educativo tem que se ter uma mudança de mentalidades, até porque hoje ser professor não é só uma profissão. É ter um projecto de vida.”.

Envolvimento. A presidente disse ainda “precisar do envolvimento da autarquia, das juntas de freguesia, pais, escolas vizinhas, de todos. Temos que fazer trabalho colaborativo e parcerias”.

Perante um salão completamente cheio de professores e auxiliares de acção educativa, Júlia Gradeço referiu que não era com indiferença que via tantos funcionários e professores.

“Não tenho palavras para agradecer a todos aqueles que nos têm apoiado”. “Às vezes sei que não sou fácil de aturar”, desabafou, reforçando que “os tempos não são fáceis, pelo que o caminho é o empenhamento, profissionalismo e dedicação”. Garantiu ainda que, antes de tomar decisões, será uma pessoa aberta e procurará ouvir todas as opiniões e ideias.

Tempos de crise. A vereadora da Cultura da Câmara de Oliveira do Bairro, Laura Pires, começou por se referir aos tempos difíceis que o país atravessa, salientando “a necessidade da poupança de recursos”.
Frisou o facto dos dirigentes do AEOB terem sido eleitos para um quadriénio, o que fará que estes contactem com um outro executivo (em 2013 haverá eleições).

Relativamente à nova presidente, Laura Pires sublinhou ser uma pessoa que “nos tem habituado a escolher bem as equipas”.

Pedro Fontes da Costa
pedro@jb.pt