Numa cerimónia simples, mas carregada de emoção, o executivo da Câmara Municipal de Anadia aproveitou o Feriado Municipal (Quinta-feira de Ascensão) para, em cerimónia pública, reconhecer trabalhadores da autarquia, que, “no desempenho das suas funções, dão forma e conteúdo ao serviço municipal”, mas também outros cidadãos e entidades que, “no seu relacionamento com a autarquia e na prossecução das suas próprias iniciativas, coadjuvam o município na sua missão de promoção e de salvaguarda dos interesses das populações residentes no concelho”.
Uma cerimónia que se traduziu num evento muito participado e cuja realização assentou num pressuposto: “a justiça de que se reveste um agradecimento público àqueles que honraram, e honram, a Câmara Municipal com os seus contributos”, mas que deve ser também um “estímulo” para que todos continuem a fazer ainda mais e melhor em prol do concelho.
Reconhecimento aprovado por unanimidade. A proposta de realização desta cerimónia foi previamente aprovada em reunião de executivo, por unanimidade, pelo que todos os distinguidos receberam, em sinal deste reconhecimento, um certificado, uma medalha e um alfinete de lapela.
De forma inédita e sem precedentes, o executivo anadiense reconheceu funcionários com mais de 25 e 35 anos de serviço. Foram 79 os funcionários reconhecidos, de um total de 234 trabalhadores que, neste momento, integram o quadro de pessoal da Câmara Municipal de Anadia. Por isso, a edil anadiense, não obstante as funções que atualmente exerce (porque também ela integra este quadro de pessoal) diria rever-se “nesse papel, nos seus direitos, nas suas obrigações, e na sua ética, e, ainda, na importância e na responsabilidade do serviço prestado em prol da causa pública”.
Ciente de que poucos dos que ali se encontravam, trabalham na Câmara Municipal há mais tempo do que a própria, Teresa Cardoso referiu-se às dificuldades com que, por vezes, os funcionários se debatem para conseguir executar o que lhes é pedido.
“Diariamente, sob o escrutínio daqueles para quem trabalhamos – os cidadãos – todos deveremos estar conscientes da responsabilidade do compromisso que, perante eles, assumimos no momento em que passámos a integrar o quadro de pessoal da autarquia, e que deve ser, para nós, motivo de orgulho, já que nos cumpre servir a causa pública”, salientou.
Por outro lado, referindo-se a algumas questões laborais, nomeadamente no que respeita ao congelamento das carreiras, relembrou a incapacidade das autarquias para ultrapassar esta situação que a todas mantém condicionadas em matéria de gestão de recursos humanos.
“Não sei se esta cerimónia foi alguma vez antecipada por algum de vós. Pessoalmente, sempre desejei que o Município de Anadia reconhecesse o desempenho dos seus trabalhadores, no seu todo. Ao mesmo tempo, tenho lamentado que muitos deles cessem as suas funções sem que esse reconhecimento lhes tenha sido manifestado”, frisou.
E, sendo este o último ano deste mandato, Teresa Cardoso defendeu ser “uma oportunidade soberana para materializar esta ideia”, agradecendo a todos os trabalhadores do município, pelo serviço público que realizam, tendo esse agradecimento sido expresso na pessoa daqueles que há mais de 25 ou há mais de 35 anos integram o quadro de pessoal da autarquia.
Ao mesmo tempo, dava nota de que na prossecução das suas atividades, o município tem também contado com inúmeros contributos de outros cidadãos e de entidades (ver caixa, na página ao lado), também eles dignos e merecedores de reconhecimento público.
“No que toca às entidades, faço notar que todas elas têm em comum a palavra Bairrada e o seu trabalho em prol da região e Anadia na sua esfera de atividade e na sua origem”. E referindo-se em concreto à Comissão Vitivinícola e à Confraria dos Enófilos, avançaria estar em causa o seu trabalho em prol dos vinhos da região, enquanto que no caso da Escola de Viticultura e Enologia, a presidente destacou “o seu contributo para ampliar e atualizar a oferta educativa do concelho,” sendo já do seu conhecimento que à Escola será atribuído o selo de conformidade com o Quadro de Referência Europeu de Garantia da Qualidade para a Educação e Formação.
Quanto à Associação sediada no Luxemburgo, Teresa Cardoso lembrou “a sua permanente atenção aos problemas dos mais desfavorecidos na Bairrada”, mas também as sucessivas campanhas de angariação de fundos que, desde 1994, já totalizam mais de 400 mil euros, dos quais mais de 120 mil se destinaram ao concelho de Anadia.
Cidadãos exemplares. Quanto aos cinco cidadãos, a edil anadiense destacou um aspeto comum a todos eles: “a sua ação humanitária, em prol do bem-estar social, da saúde, ou da segurança das populações, e de apoio aos mais desfavorecidos, tendo, nalguns casos a cultura como bandeira e como meio de levar essa causa a todos.”
Por isso, concluiu que “independentemente da forma como todas estas pessoas e entidades deram o seu contributo ao concelho, a todas se deve efetivamente reconhecer a sua ação” com vista ao desenvolvimento de Anadia e à garantia de uma melhor qualidade de vida à nossa população.
Catarina Cerca