Cada jornada que passa e como os resultados não são positivos, o cerco fica mais apertado para várias equipas na luta pela manutenção. A nove jornadas para o final do campeonato, o Oliveira do Bairro continua mergulhado no penúltimo lugar, começando a ver alguns adversários diretos fugir na classificação. Os Falcões, frente ao Paivense, estiveram em vantagem até ao intervalo, mas depois permitiram a reviravolta ao adversário.
O Mealhada também está na zona de descida, depois de mais uma derrota, a quinta consecutiva, no terreno do Esmoriz.
Pela primeira vez dentro das quatro linhas (havia ganho na secretaria), o Calvão somou pontos fora, e logo uma vitória, na casa do Milheiroense. Um bálsamo para o que aí vem. Em casa, frente a um adversário complicado, o União de Lamas, o Mourisquense conseguiu um ponto, mas continua também com o credo na boca.
O Águeda escorregou no terreno do Fiães e perdeu excelente oportunidade para se aproximar do Bustelo, que voltou a empatar, sendo ainda ultrapassado pelo Alba.
2-A partir de agora, cada jogo, é uma final, sobretudo quando engloba partidas com adversários que lutam pelos mesmos objetivos. Isto aplica-se por inteiro ao Oliveira do Bairro na receção ao Canedo, num fim de semana de aniversário e onde os seus adeptos não têm tido motivos para festejar. Outro resultado que não a vitória não interessa aos Falcões, frente a um opositor que vem de quatro vitórias consecutivas. Jogo de tripla.
O Mealhada volta a jogar fora, em Cucujães, e arrisca-se a ver mais uma jornada passar sem alcançar o seu objetivo, que passa por pontuar. O mesmo se pode aplicar ao Mourisquense que joga na casa do líder, o Bustelo, sendo que neste jogo o grau de dificuldade é mais elevada para os Pilatos, comparativamente com o Mealhada.
Num confronto direto, o Calvão, em casa, diante do Soutense, não pode vacilar, numa partida crucial para o futuro imediato dos vaguenses, pois, em caso de vitória, deixam o seu adversário a três pontos.
Em casa, o Águeda, apesar de encontrar pela frente um Paivense moralizado pelos últimos resultados, deverá chamar a si os três pontos em disputa.

II DIVISÃO

SÉRIE C. 1-Em casa, o líder Oiã não teve a mínima dificuldade em bater o Aguinense. Mais complicada foi a tarefa do Famalicão, em Azenha, diante do Paredes do Bairro, que deu excelente réplica ao vice-líder do campeonato.
Em Águas Boas, o Couvelha dividiu os pontos com a equipa local e, face ao triunfo do Luso em Antes, foi apanhado no terceiro lugar pelos homens das águas.
O CRAC impôs pesada derrota (6-1) ao VN Monsarros e manteve o quinto lugar, logo atrás da LAAC que, em casa, venceu tranquilamente o Mamarrosa.
Sosense e Ribeira/Azenha dividiram os pontos após uma igualdade a dois golos.
2-As atenções da próxima jornada estão todas centralizadas no Famalicão – Oiã. Este poderá ser o jogo do título para o Oiã, caso vença, ao passo que os famalicenses, que ainda terão de folgar, estão obrigados a vencer e esperar no que resta do campeonato que o seu opositor direto perca pontos. Por todas as razões, prevê-se um jogo extremamente disputado e com resultado imprevisível.
Outro dos jogos grandes é o Luso – Couvelha. Aqui joga-se para o pódio e os pratos da balança pode pender para qualquer dos lados.
Apostado em chegar ao quinto lugar, o Aguinense recebe a LAAC e, para lutar por esse objetivo, sabendo que tem à perna o CRAC, terá que ganhar para manter esse sonho possível. É que a equipa de Parada de Cima recebe o Ribeira/Azenha e, à partida, tem boas probabilidades de somar pontos.
O Águas Boas defronta o Paredes do Bairro imbuído no espírito de que não quer perder de novo pontos em casa.
Sem pontuar há seis jogos, o Mamarrosa fará a receção ao Carqueijo e, quem sabe, o regresso aos pontos. Também em casa, o Sosense tem tudo para vencer o Antes.
O VN Monsarros folga nesta jornada.