Águeda vai passar a ter um gabinete de apoio às vítimas de violência doméstica, com o objetivo de as esclarecer, preparar e apoiar em todo o processo judicial nesta questão. Este serviço, a funcionar nas instalações do Ministério Público, resulta de um acordo com esta entidade e com a Delegação de Águeda da Cruz Vermelha Portuguesa (CVP) e a Comissão para a Igualdade do Género (CIG), tendo sido rubricado um protocolo para este fim, em cerimónia realizada no passado dia 10, onde a  violência doméstica foi abordada por diversas entidades com ligação a esta problemática social.

Com o nome de Gabinete de Informação e Estabilização da Vítima (GIEV), este novo serviço tem como objetivos principais a promover a estabilização emocional e social das vítimas, realizar a avaliação de risco, assessorar a recolha de testemunhos e coadjuvar na tomada de decisões no âmbito dos processos-crime de violência doméstica, garantindo a celeridade dos mesmos, bem como a otimização de sinergias e concertação de recursos existentes.

É também função deste gabinete, entre outros, atenuar o impacto psicológico da vitimização, através de recurso a técnicas de primeiros socorros psicológicos, promovendo a sua estabilização emocional para  efeitos de recolha de prova, coadjuvar os funcionários judiciais e Magistrados do Ministério Público na  abordagem das vítimas sobretudo as que se encontram em situação de risco e promover a formação (dirigida, nomeadamente a magistrados e técnicos oficiais de justiça).

Mais pormenores na edição de 17 de janeiro do Jornal da Bairrada.