Os esgotos dos prédios, incluindo da Câmara Municipal, localizados na entrada nascente de Oliveira do Bairro, continuam a correr para o Rio Levira. É que a fossa sética que recebe os esgotos há muito que está saturada, vertendo-os para uma linha de água que vai desaguar ao Rio Levira, na zona da Recer. O caso foi denunciado há mais de oito meses.
As obras, entretanto, iniciaram-se, mas o problema tem-se agravado nos últimos tempos, uma vez que a fossa séptica deixou de ser limpa, semanalmente, por um camião.

Preocupação. Há oito meses, o deputado do PSD, Carlos Viegas, disse estar preocupado com o assunto, uma vez que “o caudal do Rio Levira, na maioria do tempo, é meio acastanhado, deixando sedimentos bem característicos que provocam um cheiro fétido”, sublinhando que “os agricultores utilizam este curso de água para regar os terrenos agrícolas”.

Prazo. A AdRA, responsável pela situação, já fez saber que “a construção da Estação Elevatória terminou no passado dia 22 de janeiro”, e que “neste momento aguarda-se a certificação da entidade certificadora das instalações elétricas, prévia à ligação elétrica da estação elevatória e que, após esta ligação, entrará em funcionamento o sistema”.

Fernando Vasconcelos, responsável pela AdRA, justifica ainda que “este processo depende de terceiras entidades, mas estimamos que possa estar concluído dentro de um mês”, acrescentando que “para nós também é muito urgente, pois o sistema implementado de despejo da fossa é precário e do ponto de vista logístico também complexo, tendo havido um ajuste da frequência de operações de limpeza, que neste momento respondem de forma adequada”.

Pedro Fontes da Costa
pedro@jb.pt