Aprovado em minuta, na reunião do executivo de agosto, o protocolo de colaboração assinado em novembro, entre a câmara de Vagos e a Ascendi Operadora CP, Operação e Manutenção Rodoviária, S.A., vai entrar em vigor este mês. Em causa está a colocação de “mais iluminação pública”, durante o período noturno, nos sublanços Vagos/Sto André – Vagos e nós associados de Soza/Vagos e de Sto. André da A17, de acesso ao tecido urbano e industrial de Vagos (Zona Industrial de Vagos e Parque Empresarial de Soza).
Uma reivindicação antiga, face às queixas e necessidades da população, que vem utilizando aqueles acessos. Segundo o presidente da Câmara, Silvério Regalado, “os postes de iluminação estavam apagados desde a renegociação das parcerias público-privadas, para reduzir os custos”, pelo que foi decidido “proceder a este investimento”.
No âmbito do protocolo, a Câmara de Vagos vai “suportar os custos inerentes à iluminação pública da segunda rotunda exterior [de acesso ao campo de futebol do Sosense], e a terceira rotunda exterior, conhecida por rotunda da abóbora, de ligação a Soza ao nó de Vagos”. Um investimento estimado em cerca de 2.500 por ano (valor sem IVA), confirma a autarquia.

Eduardo Jaques/Colaborador